sábado, 19 de outubro de 2013

Vinicius

 Aos 11 anos, li pela primeira vez a "Antologia Poética" de Vinicius... troquei por "Vinte Mil Léguas Submarinas", de Julio Verne, com um amigo meu... garanto que minha viagem foi maior que a dele, no final das contas...

   Tentei ler as duas primeiras poesias do livro, e não entendi nada... de repente, me deparei com os versos que mudariam minha vida pra sempre. 
   
   Claro que eu não tinha consciência disso, afinal, tinha apenas 11 anos. Claro que eu não compreendi os versos racionalmente... talvez pela primeira vez eu tenha lido uma poesia como ela deve ser lida: sem tentar entendê-la... 

   A partir daí, comecei a escutar Vinicius feito um alucinado. Enquanto meus colegas começavam a escutar Rock e outros estilos, eu entrava de cabeça nos mistérios da Bossa Nova...

   Um dia, assisti a um especial sobre o Poetinha onde ele declamava "O Haver", com o fundo musical de "Canto Triste", dele e de Edu Lobo, tocada pelo próprio Edu... eu tinha uns 14 anos...

   Nesse mesmo ano, escrevi minha primeira poesia...

   Acordei num sábado de manhã, e ainda lembrava do sonho... estava sentado com meu pai e outras pessoas ao redor de uma mesa, cantando e tocando, e, de repente, Vinicius me chamava (com um copinho de uísque na mão) dizendo: "Chega aqui, menino. Vou te ensinar a escrever poesia!". Acordei escrevendo...

  Decidi postar aqui esses dois poemas que tanto me transformaram e continuam transformando a cada novo mergulho em seus versos...


  O primeiro é o que li aos 11 anos... "Ilha do Governador".

  O segundo é o que eu considero uma das obras-primas da poesia mundial... "O Haver".

  Salve, Poetinha!

  E obrigado por tudo...

Rodrigo Sestrem

Um comentário:

Paloma Duarte disse...

Fascinante a arte da descoberta assim como você desenvolver a habilidade de forma tão natural.