segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Mar Bravio

Mar bravio, fios de espuma...
Conte uma, duas, três!
Cante as ilhas de uma vez,
Mire o Sol, antes que suma!
Admita, aceite, assuma
Que a saudade te agride!
Que a distância coincide
Com a próxima aurora...
E se a hora te devora,
Não demore mais, duvide!


Ame a interrogação,
Tenha sempre outra pergunta.
Com tanta mentira junta,
Vale a pena ter na mão
O talvez, o sim e o não,
Pra que, antes que seja tarde,
Dialogues, sem alarde,
Preparado e prevenido,
E encontres, escondido,
O olhar de uma Verdade.


Equilibre-se na crista,
Surfe a vida devagar.
A Verdade como par
Está lá, ainda que assista.
Se cair, não, não desista!
Mire o olhar que te aguarda,
Que o sucesso já não tarda,
Pois o mar bravio te ama!
Na praia, a criança chama,
Vai ao mar, mergulha, nada.


Mas a água é traiçoeira,
Nem bem cai em seu domínio,
A Verdade, em seu fascínio,
Cai nas mãos da brincadeira!
Distancia-se da beira,
Entrega-se à imensidão.
Sente vir do coração
A vontade de ir ao fundo...
Olha o céu, respira o mundo,
E mergulha, busca o chão.


E assim tentas, já em vão,
Alcançar a mão pequena
Que afunda sem ter pena,
Que condena tua ação.
Tu te entregas à ilusão
De que a Verdade respira
Ar e água, Tinta e Lira,
E que a poesia basta
Pra vencer uma já gasta,
Mas ainda viva mentira.


Te retiras do oceano
Trazes à tona a verdade
Em teus versos sem vontade,
Em tuas rimas por engano.
Ainda assim, não causas dano
Aos caminhos dessa vida!
Lá do fundo, comovida,
A Verdade te agradece...
Em seguida, te esquece!
E também segue esquecida...


Algum dia, outro amador,
Poeta por natureza,
Há de encontrar, com certeza,
A Verdade e o Amor.
Num mar bravio sem calor,
Ou nas ilhas que contar...
Não importa em que lugar!
Basta mergulhar sem medo,
Desvendar outro segredo,
Pra Verdade respirar.


(Rodrigo Sestrem)

4 comentários:

Soluz disse...

.'.

Irmão,

Tenho mesmo é de, mais uma vez, lhe dar os parabéns. E aproveito para deixar:

Se procuras a verdade,
ela está além do mar.
Lá, as ondas vão chocar
em rochas de liberdade.
Espumas trazem puberdade
e revigoram a alegria
que só ao louco contagia,
pois ele sabe do segredo
que só expurgando o medo
novo templo se ergueria.

Grande abraço!

'.'

Cíntia disse...

A verdade é meu fascínio...sinto ela como palma da mão que encosta na face e acarecia ou bate, como um pai que ama, como a saudade...
Rô você é um grande amigo, grande poeta!
Adoro você!
Bjos

Cláudia disse...

"Antes que suma..."

:)

Mariana Paiva disse...

você nunca escreveu mal, né? nem sei porque me surpreendo sempre em reencontrar seus poemas assim, tão belos.

que assim sejam!
:)

beijo!