sábado, 6 de junho de 2009

Olhos por engano

Olhei no espelho,
e não me reconheci...

Sai buscando minha máscara perdida,
minha cara cara cara,
que ficou pelo caminho...

E sai sem rosto, sem olhos,
vendo apenas preto e branco,
tendo vultos como guias
sendo envolto pelos dias
como se correr não fosse normal...

Ah, e o cansaço me consumiu os sonhos...
Palavras, eu tomei emprestadas!
As minhas também não sabia onde estavam!
Não que o caminho fosse longo...
afinal, andei em círculos!
Mas o chão era movediço,
lamacento, denso...
Penso que se a máscara tivesse afundado,
algum dia alguém havia de achar...

Seria tarde pra devolver?
Seria tarde pra resolver mudar?

Olhei no espelho,
e lá estava eu de novo...
Oxe! Mas o que aconteceu?
A máscara voltou sozinha, de algum jeito...
ou será que eu tava usando os olhos errados?

(Rodrigo Sestrem)

Nenhum comentário: